segunda-feira, 30 de março de 2015

BANDAS DOS ANOS 80 QUE POUCA GENTE CONHECIA - parte 1




A década de 80 não foi pródiga apenas pelas bandas de renome que despontaram à época, como LEGIÃO, TITÃS e PARALAMAS DO SUCESSO. Houve também as que operavam mais no "underground. Nesse contexto temos grupos dos mais variados e que acabaram influenciando outras bandas e até colaborando, ainda que involuntariamente, para o surgimento de outros grupos.



Eis alguns dos nomes:


CABINE C. - Cabine C foi uma banda de rock brasileira dos anos 80 surgido em meio ao movimento pós-punk contendo elementos dark ou gótico. Gravou um único LP chamado Fósforos de Oxford, com 11 faixas produzido pelo selo RPM e lançado em 1986.






KAFKA - Banda formada em São Paulo nos anos 80 por Abrão Levin (vocal e guitarra), Renato Mello (sax e guitarra), Renato R. (baixo) e Paulo Blitter (bateria). Lançaram dois álbuns pelo Selo e loja Baratos Afins, ainda hoje é possível encontra-los por lá, inclusive uma versão em CD com os dois trabalhos.





PICASSOS FALSOS - é uma uma banda brasileira de rock surgida em 1985 no Rio de Janeiro. A banda foi uma das pioneiras em misturar rock, soul e funk com baião, afoxé, maracatu e samba, algo que só viria a ser comum na música brasileira a partir dos anos 1990, com artistas como Chico Science & Nação Zumbi e Mundo Livre S/A. A banda fez sucesso com canções como "Carne e Osso", "Quadrinhos", "Supercarioca" e "O homem que não vendeu sua alma".






Finis Africae - foi uma banda brasiliense que emplacou hits como "Ética", "Van Gogh", "Armadilha", "Deus Ateu" e "Mentiras". O ano de 1986 começou bem, com o lançamento de um EP, chamando a atenção de gravadoras para um lançamento posterior. A EMI-Odeon fechou o contrato com a banda e colocou o primeiro LP nas prateleiras, no ano seguinte.
A Finis surgiu em uma época que Legião Urbana, Plebe Rude e Capital Inicial dominavam o espaço na cena do rock brasileiro. Após o sucesso de "Armadilha" nas rádios, no ano de 1986, a banda continuou o caminho e conseguiu colocar no mercado um LP homônimo.






Hojerizah - é o nome de uma banda de rock formada em 1983, por Toni Platão, Flávio Murrah , Marcelo Larrosa e Álvaro Albuquerque na cidade do Rio de Janeiro. A banda lançou em 1984 um compacto simples pela BB Records/Polygram contendo as músicas "Que horror" e "Pros que estão em casa", que seria regravada em seu primeiro LP lançado pela BMG - Ariola em 1986.






GUETO - A banda fez sua estreia fonográfica ao lado das bandas Nau, Vultos e 365 na coletânea “Não São Paulo II”, lançada em 1987 pelo selo Baratos Afins, do importantíssimo Luiz Calanca.
No mesmo ano, lançou seu primeiro álbum, “Estação Primeira”, que foi muito bem recebido pela crítica. “G.U.E.T.O.”, “Borboleta Psicodélica” e “A Mesma Dor” tiveram importante difusão radiofônica e a primeira música contou com o videoclipe de grande circulação na TV. O vocalista tem um timbre de voz que sempre lembrou o do Nasi, da banda Ira!






EGOTRIPE – Arthur Maia, que posteriormente trabalharia com artistas como Gal Costa, Caetano Veloso e Roberto Carlos, fundou o grupo em 1985.1 Seu primeiro disco foi lançado em 1987. A música "Viagem ao Fundo do Ego" tornou-se um grande sucesso após ser incluída na trilha sonora da novela Mandala. No entanto, o Egotrip não duraria por muito tempo: eles se separaram após a morte do baterista, Pedro Gil (filho do Gilberto Gil), em um acidente de carro em 1990.





SMACK - é o segredo mais bem guardado do rock brasileiro dos anos 80. Fez dois discos mitológicos – “Ao Vivo no Mosh” (1985) e “Noite e Dia” (1986) – e virou lenda entre músicos e artistas. O fato de ser cultuado num pequeno círculo é uma injustiça histórica. Se o mundo fosse justo, é claro que o Smack seria tão famoso quanto os Mutantes ou Gang of Four.
Mutantes e Gang of Four não foram citados ao acaso. Como essas duas bandas, o Smack faz música com cara própria, que não se parece com nada que você tenha ouvido. Tenho um palpite sobre as razões de o Smack ter construído um som pessoalíssimo. Quando a banda foi criada, em 1984, parecia um projeto paralelo de músicos que tocavam em algumas das bandas mais cultuadas daquela década. Edgard Scandurra (guitarra) era do Ira!, Sandra Coutinho (baixo), das Mercenárias, e Thomas Pappon (bateria), dos Voluntários da Pátria (e mais tarde Fellini, hoje The Gilbertos). Pamps tinha as credenciais mais estranhas para o grupo que nascia – tocara com a banda Isca de Polícia de Itamar Assumpção, com direito a ter seu nome citado no primeiro disco de Itamar.





GANG 90 - oi um grupo de rock brasileiro dos anos 1980, fundado pelo disc jockey e jornalista Júlio Barroso.
Suas canções misturavam new wave com viagens beatnik, e ainda carregava batidas fortes e coro feminino, inspirado no grupo B-52s.
Sua primeira aparição foi na discoteca Paulicéia Desvairada em 1981. Participou do Festival MPB Shell do mesmo ano, com a música Perdidos na Selva, o que tornou o grupo famoso.
Para divulgar o grupo, o programa Fantástico de 2 de agosto de 1981 apresentou o clipe de ‘Perdidos na Selva’. Nesta época, a banda chamava-se simplesmente "Absurdetes". A música foi lançada originalmente em compacto pelo selo HOT, tendo a faixa "Lilik Lamê" no lado B, cantada por Alice Pink Pank, uma das cantoras-musas da banda, ao lado de May East e Lonita Renaux.






NAU - a banda paulistana Nau, formada por Beto Bigher, Ex-Zero, e pela vocalista Vange Leonel. Prima de Nando Reis, depois de integrar os grupos performáticos XTPO e Fix-Pá, apresentava nos shows da banda, uma forte dose de encenação teatral. A estréia do Nau em disco foi na coletânea Não São Paulo, lançada pelo selo Baratos Afins, em 1987, com a musica Madame Oráculo, e também em 1987 lançou seu primeiro disco - Nau - pela CBS. Vange Leonel Também participou, ao lado de João Gordo e Marcinha, do primeiro disco das Mercenárias, Cadê as Armas?. Em 1991 lançou seu primeiro CD solo - Vange - pela Sony. Foi com este CD que alcançou os primeiros lugares das paradas de sucesso de todo o país com a música Noite Preta, tema de abertura da novela da Rede Globo, Vamp. Participou da coletânea O Início, o Fim e o Meio, em homenagem a Raul Seixas, também pela Sony






Uns e outros - surgiu em 1983 tendo como formação original Marcelo Hayena nos vocais, Nilo Nunes na guitarra, Cal no baixo e Jonathas Nunes (irmão de Nilo) na bateria.
Em 1986 a banda participa do Festival Banda Contrabanda com a música"Dois Gumes", ficando em 2º lugar. As 12 melhores bandas deste festival participaram da gravação de uma coletânea. "Dois Gumes" teve uma boa execução nas rádios atraindo a atenção de gravadoras e o convite para a gravação do 1º Disco, "Nós Normais" pela Polygram.
Lançado em junho de 1987, "Nós Normais" levou "Dois Gumes" de volta para as rádios, sendo novamente bem executada. Após 1 ano a banda e a gravadora rescindem o contrato.
Em Setembro de 1988, a banda assina um novo contrato, desta vez com a gravadora Sony, para o lançamento do segundo disco, "Uns & Outros", agora com o baterista Ronaldo Pereira. Este disco, gravado entre Outubro e Novembro de 1988 e lançado em Maio de 1989, estourou com diversos sucessos, dentre eles "Carta aos Missionários" (canção que ficou em 1º lugar durante vários meses nas principais rádios do país), "Dias Vermelhos" e os sucessos "Máquina Mortífera" e "Lágrimas entre Máscaras" que foram bastante executados em diversos estados.











3 comentários:

  1. De todas as bandas citadas acima, minha favorita é Picassos Falsos. Humberto Effe tem uma voz poderosa e afinadíssima (Bolero e Marlene provam isso). E Gustavo Corsi é um guitarrista que está entre os melhores do rock Brasuca.

    ResponderExcluir
  2. Tempos áureos do Circo Voador!!!!

    ResponderExcluir
  3. Tempos áureos do Circo Voador!!!!

    ResponderExcluir